O DIA

Rio – O motorista atento às condições mecânicas do carro garante uma viagem mais tranquila e segura pelas vias públicas. Para isso, é importante manter as revisões em dia e observar eventuais sinais de alerta. Segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), 5% dos acidentes são motivados por falhas mecânicas no automóvel. Diante dessa constatação, é necessário estar atento aos ‘recalls’ no veículo, para resolver eventuais defeitos de fabricação.

Segundo o Ministério da Justiça, sete em cada dez campanhas de chamamento registradas no país no ano passado foram para fazer reparos em veículos. Desses, 91,48% expõem a vida de motoristas e passageiros a possíveis ocorrências de lesões e/ou ferimentos graves, enquanto em 8,52% dos casos foi constatada possibilidade de registro de incêndio.

No ano passado, os recalls envolveram mais de 2,7 milhões de automóveis. A japonesa Takata convocou o maior ‘recall’ da história da indústria mundial ao descobrir defeitos nos airbags que ela produz. Ao ser acionado, o item de segurança poderia explodir e lançar partes metálicas contra os ocupantes.

Base de dados

AirbagDivulgação

Desde junho deste ano, a ‘Consulta Recall’ pode auxiliar com esse tipo de informação. A ferramenta permite pesquisar todas as convocações realizadas no país desde 1999, para uma frota de mais de 90 milhões de carros. Por meio dela, é possível obter detalhes dos problemas diagnosticados pelas montadoras que anunciaram campanhas nos últimos 17 anos e saber se o automóvel passou pelas revisões necessárias.

Caso o proprietário do veículo saiba do ‘recall’ e opte por não fazer o reparo, correrá o risco de perder a cobertura de um seguro contratado, por exemplo. Isso envolve a hipótese de um possível sinistro ter relação com a manutenção que deixou de ser feita no ‘recall’ convocado pela montadora.
O acesso a esse histórico também auxilia o consumidor na hora de comprar um carro, já que a possibilidade de saber se o veículo passou ou deveria ter passado por ‘recall’ permitirá dar preferência aos produtos que estejam com os reparos em dia. Para isso, basta apenas que a ferramenta seja consultada por um dos operadores do mercado no momento de fechar o negócio.

Segundo Renato Virches, diretor da Tecnobank, empresa que criou o Consulta Recall, a ferramenta é voltada para as empresas que operam no segmento automotivo, como bancos, seguradoras e distribuidoras de crédito e frotas.

” Não temos cultura de segurança”

De acordo com Virches, o consumidor pessoa física, que se torna proprietário de um veículo, deveria ter preocupação com os fatores que envolvem a segurança do bem e não o faz. “No Brasil, não temos ainda essa cultura com a segurança. As pessoas, ao comprar um carro, checam multas, licenciamento, débitos. Mas não procuram saber sobre as campanhas de ‘recall’ da montadora. É necessário verificar com o Denatran ou fabricante, mas acabam deixando essa importância de lado”, comentou.

O diretor esclarece, ainda, que muitos não entendem a comunicação de ‘recalls’ através do número do chassi, sem contar o transtorno em alguns casos para providenciar o reparo. Daí, acabam por não atender ao chamado das montadoras.

PUBLICIDADE