Venezuela tem dia de violência e termina com 13 mortos Com a Venezuela mergulhada numa onda de protestos que já deixou 22 mortos e centenas de feridos e detidos

0
0

BUENOS AIRES — Com a Venezuela mergulhada numa onda de protestos que já deixou 22 mortos e centenas de feridos e detidos, dirigentes políticos, representantes de ONGs e analistas se perguntam até quando a Força Armada Nacional Bolivariana (FABN) continuará sustentando um governo altamente impopular — na madrugada de sexta-feira os protestos mais intensos foram em bairros humildes de Caracas — e que nas últimas duas semanas ordenou a violenta repressão de seus opositores. A preocupação internacional é grande e os governos de Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai condenaram energicamente a violência desencadeada no país.

Somente na sexta-feira, 13 pessoas morreram. Nove delas foram eletrocutadas durante a madrugada enquanto participavam do saque a um comércio do bairro de El Valle, cenário de manifestações civis que foram reprimidas pela Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e, também, pelos chamados coletivos chavistas (grupos armados que defendem o governo). Três morreram atingidas por tiros, e um manifestante morreu durante um protesto da oposição, em Petare.

— Os militares têm muito peso na Venezuela, por isso somente se surgir um racha poderiam ocorrer mudanças imediatas — disse Rafael Uzcátegui, do Programa Venezuelano de Educação e Ação em Direitos Humanos (Provea).

Supermercado saqueado em Caracas, na Venezuela
Supermercado saqueado em Caracas, na Venezuela Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP

Para ele, a implementação do Plano Zamora (anunciado esta semana pelo presidente Nicolás Maduro) é “uma verdadeira declaração de guerra”.

— O governo institucionalizou a atuação dos grupos paramilitares em nome do combate a um suposto golpe de Estado. A questão é quem resistirá por mais tempo — afirmou.

Na opinião da analista Argelia Rios, uma mudança ou não de posição dos militares é a grande questão neste momento:

— Não se sabe nada, o hermetismo é total. O que todos queremos saber é justamente isso, até quando os militares reprimirão em nome deste governo.

Em meio aos protestos de sexta-feira em bairros populares de Caracas como El Valle, Petare (considerada a maior favela da América Latina) e 23 de Janeiro, manifestantes roubaram até mesmo pneus de carros que pertencem a militares.

Os confrontos obrigaram a evacuação de um hospital infantil em El Valle, onde estavam internadas 54 crianças. De acordo com o governo, o hospital foi atacado por grupos armados financiados pela oposição — acusação desmentida pelas lideranças opositoras.

No passado, os bairros que foram cenário da violência representavam importantes bases de apoio ao chavismo. Hoje, segundo afirmou Argelia, os setores populares estão cada vez mais insatisfeitos com o governo. “Desmoronou-se o mito de que os bairros (favelas) são territórios revolucionários”, escreveu a analista, no Twitter.

O presidente da Assembleia Nacional (AN), Julio Borges, assegurou que o governo é “o único responsável”.

— A violência se chama Maduro. Um governo que violenta o país, impede que o povo se expresse através do voto. Convoque eleições e deixe que o venezuelano decida o futuro — declarou.

Fonte: Jornal Extra Online

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here